Não podemos ignorar a Venezuela

 

Não podemos ignorar a Venezuela    O Brasil não está tão mal. Estamos, por exemplo, muito melhores do que a Venezuela, já que só em Boa Vista, vivem 40 mil venezuelanos. Mesmo com todos os nossos problemas, aqui parece muito melhor do que o país dessas pessoas. Sim, não podemos ignorar a situação da Venezuela.

Quem acompanha o Crônicas da KBR sabe que há muito tempo observo e me entristeço com a situação do país vizinho. Situação que só se agrava. Penso nas “crianças mudas, telepáticas”, morrendo de fome. Que tristeza!

A vida na Venezuela é diferente de tudo. Uma situação impensável no Brasil é a esterilização de mulheres com menos de 30 anos. Pois isso acontece no vizinho — não é possível criar filhos lá, e as mulheres simplesmente abrem mão de sua fertilidade para não verem seus futuros filhos morrerem de fome.

As relações comerciais na Venezuela estão se retrogradando à era pré-dinheiro. Afora o exagero desta minha afirmação, as vendas de produtos e serviços ocorrem, cada vez mais, na base da confiança, da palavra empenhada. Sem moeda em circulação suficiente para abastecer as carteiras dos cidadãos, e com dificuldades de operação em máquinas de cartão de crédito e de débito, todo mundo compra fiado e faz transferência bancária depois. Os comerciantes se renderam a esse tipo de transação para conseguirem vender alguma coisa. E os compradores para conseguirem comprar, seja comida, seja água, seja lá o que for. Notas de dinheiro venezuelano viraram material para artesanato…

Quem consegue, se manda de lá. Alguns dos principais destinos são a Colômbia e o Brasil. Chegam ao nosso país pela fronteira de Roraima. O estado passa por dificuldades, pois não tem estrutura para abrigar tanta gente. Os venezuelanos em Boa Vista já representam mais de 10% da população. Por essa razão, hoje haverá uma reunião de ministros do governo federal com a governadora do estado para alinharem a estratégia para receber essas pessoas e regularizar sua situação.

O primeiro passo é um censo. E parece que o governo já está em negociação com empresas para aceitarem trabalhadores venezuelanos. Essa política é muito importante, porque precisamos devolver a dignidade a essas pessoas que buscam refúgio e segurança em nosso país.

Mas aí vem o senador Romero Jucá que, embora cearense, é representante de Roraima, e diz que o Brasil tem que fechar a fronteira com a Venezuela. Pô, peraí! Estamos falando de gente em situação máxima de miséria. Por mais que as coisas aqui estejam difíceis, não podemos simplesmente virar as costas da maneira mais estúpida que existe.

Se o senador não sabe, o Brasil recebe uma minoria de hermanos venezolanos. Eles preferem ir para a Colômbia ou o Peru, até pela facilidade do idioma. Para se ter uma ideia, há cerca de um ano, só em Medelín, viviam cerca de 67 mil venezuelanos. Quantos devem viver lá hoje? Cem mil? O que são 40 mil perto disso, num país gigante como o Brasil que, apesar da crise, ainda tem algumas oportunidades.

Mas a situação na Venezuela tende a piorar, pois Nicolás Maduro se movimenta para consolidar seu poder. Baniu de vez a oposição do país e marcou eleições para o dia 22 de abril. Além do mais, criou um novo movimento, para se desvincular de Hugo Chávez e se firmar de vez como o grande e único governante de seu país.

As consequências virão e quem sofrerá ainda mais é a população, vítima inocente da ganância pelo poder autoritário. Já se anunciam embargos dos EUA e da União Europeia. Nós, como vizinhos e latinos, não podemos dar as costas ao povo venezuelano. Além de fronteiras abertas, temos que continuar tentando manter relações comerciais com o vizinho, para não prejudicar ainda mais aqueles que não conseguem sair de lá.

Que Deus tenha piedade da Venezuela!

https://g1.globo.com/politica/noticia/comitiva-de-ministros-vai-nesta-quinta-a-roraima-a-fim-de-discutir-solucoes-para-o-fluxo-de-venezuelanos.ghtml

http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,maduro-lanca-movimento-politico-paralelo-ao-fundado-por-chavez,70002182502

http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,fracassa-dialogo-entre-chavismo-e-oposicao-na-repunblica-dominicana,70002181910

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/02/fracassa-dialogo-entre-governo-e-oposicao-na-venezuela.shtml

https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2018/02/07/sem-dinheiro-e-tecnologia-bancaria-venezuelanos-adotam-a-economia-da-confianca.htm

http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,sem-valor-notas-de-bolivar-viram-artesanato-e-arte-na-venezuela,70002181785

Para ler mais de Vânia Gomes, clique aqui.

Para comprar o livro mais recente de Vânia Gomes, clique aqui.

1 Resultado

  1. Ana Bailune disse:

    E tenho um amigo petista doente que diz que os venezuelanos que estão deixando o país são inimigos da democracia…
    Mas é complicado. Não temos empregos nem pra gente, quanto mais para eles. O índice de criminalidade, que já está absurdo, vai aumentar mais ainda, porque sem trabalho, eles vão “se virar” como puderem. Não sei se apoiar a imigração será uma boa ideia para nós. Por mais que eu lamente a situação deles, não acho que estejamos em condições de acolhê-los e ajudá-los. Acho que a melhor forma, seria arranjar uma maneira de ajudá-los por lá mesmo. Quem sabe, distribuindo comida e outros produtos através da fronteira.

Deixe seu comentário