Tiririca da vida

 

Tiririca da vida   A tiririca é uma plantinha invasora, difícil de acabar, porque tem um bulbozinho subterrâneo que, se não for arrancado, brota de novo. E nesse nosso Brasilzão, Tiririca é também o nome de um palhaço, o segundo deputado federal mais votado, com o mote “pior que tá, não fica”, lembram-se? Pois ontem o Deputado fez seu primeiro e, conforme ele mesmo disse, último discurso na tribuna, em sete anos de mandato, e demonstrou estar meio tiririca da vida com o que viu lá no parlamento.

O que o candidato e depois Deputado Tiririca não imaginava é que ficaria pior, muito pior. Não por culpa dele, mas do sistema completamente contaminado pelo fisiologismo e pela corrupção.

Ontem, do alto da tribuna, o dublê de deputado e palhaço afirmou que era seu primeiro e último discurso. Pelo tom e pelo dia, parecia uma renúncia, mas não. Ao que tudo indica, Tiririca cumprirá seu mandato até o fim, 31 de dezembro de 2018. Discurso meio adiantado, não acham?

Um dos deputados mais assíduos, Tiririca não teve protagonismo em nada durante seu período na Câmara dos Deputados. Afirmou em seu discurso que sempre votou “de acordo com o povo”, dando a entender que não participou de conchavos, nem se beneficiou de cargos. Disse que sai decepcionado e envergonhado.

No período, apresentou, ao todo, 59 proposições, incluindo três conjuntas; apenas uma aprovada, que inclui os espetáculos circenses na Lei Rouanet. Numa rápida busca no site da Câmara dos Deputados, vemos que Tiririca participou apenas da Comissão de Cultura, que a maior parte de suas proposições está relacionada a este tema e que nenhuma delas teve prosseguimento — muitas foram arquivadas, outras estão paradas, quiçá engavetadas —, e que Tiririca foi relator de 16 propostas nessa comissão. Pouco, muito pouco para duas legislaturas. E, pelo tom de despedida do discurso de ontem, podemos inferir que o Deputado não deve fazer mais nada até 31 de dezembro de 2018.

Tiririca é o símbolo-mor do sistema político/eleitoral falido e disfuncional que perdura no Brasil. Vinculado a um partido do “centrão”, o PR, que vai apodrecendo pela Lava-Jato — o presidente do partido foi preso esta semana —, o artista foi responsável por “eleger” dois colegas naquele esquema de coeficiente eleitoral. Um puxador de votos bem eficiente. Se não se recandidatar mesmo, e o PR não substituí-lo à altura, vai perder duas cadeiras na próxima legislatura.

O Deputado Tiririca pode não ter sido nunca um político no mais amplo sentido da palavra. Porém nunca deixou de ser povo, porque decepção e vergonha — que Tiririca repetiu várias vezes em seu discurso — são os sentimentos que nos assolam com esse péssimo parlamento, que conta com a desaprovação da maior parte da população.

Se metade dos deputados tivesse a hombridade que teve o Tiririca, já estava bom. Contudo, a luta para se reeleger em 2018 será forte: a maioria não pode perder o foro privilegiado, senão vai ver o sol nascer quadrado rapidinho.

Charge: Alpino, in Humor Político

http://blogs.oglobo.globo.com/merval-pereira/post/melhor-nao-fica.html

https://oglobo.globo.com/brasil/pela-primeira-vez-na-tribuna-tiririca-se-despede-diz-que-sai-com-vergonha-da-politica-22157029

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/bernardomellofranco/2017/12/1941299-a-contribuicao-de-tiririca.shtml

http://www.camara.leg.br/Internet/Deputado/dep_Detalhe.asp?id=160976

Para ler mais de Vânia Gomes, clique aqui.

Para comprar o livro mais recente de Vânia Gomes, clique aqui.

Deixe seu comentário