Novos rumos para a Lava-Jato?

 

Novos rumos para a Lava-Jato    Novos rumos para a Lava-Jato no âmbito da Polícia Federal? Sinceramente, parece difícil, ainda que rumores propagados pela imprensa indiquem isso. A saída de Leandro Daiello, parece, era esperada. O que não se esperava foi a nomeação do delegado Fernando Segóvia para o cargo de Diretor Geral da PF.

Exatamente como ocorreu quando Raquel Dodge foi a escolhida do Presidente Temer para substituir Rodrigo Janot, os investigados gostaram que o novo Diretor Geral da PF será Segóvia. Segundo afirmações na imprensa, foi indicado por José Sarney e Eliseu Padilha, ambos fritando na Lava-Jato. Contudo, há que se perguntar: o Delegado Fernando gostaria de queimar sua história de 22 anos na PF?

Parece que Raquel Dodge não quer manchar sua brilhante biografia como procuradora. Há cerca de 10 dias, defendeu que as investigações contra Michel Temer devem prosseguir. De qualquer forma, devemos ficar de olho: uma coisa é investigar; outra é fazer algo com o que se apurou na investigação.

Fernando Segóvia tem uma biografia respeitável na carreira: superintendente da PF no Maranhão, adido policial na África do Sul e expert na área de fronteiras, fundamental para o combate ao crime organizado.

A surpresa do nome se deveu ao fato de que Segóvia não ocupava nenhum cargo de destaque na PF; não era um dos sete diretores. O fato é que esta escolha é competência discricionária do Presidente da República, que fez sua opção, baseado em critérios que desconhecemos, mas que podem não ser lá os melhores.

Segóvia declarou que vai ampliar as atividades da Operação Lava-Jato. Raquel Dodge, quando assumiu, foi um pouco mais contida, e disse, em outras palavras, que aperfeiçoaria os processos da operação. De qualquer forma, os dois estão na mira de todos: de um lado, os investigados que comemoram suas nomeações; de outro, a população que espera que ambos, como servidores públicos do quadro efetivo, sejam menos políticos e mais técnicos, cumprindo rigorosamente suas atribuições constitucionais.

O fato é que não será nada fácil para eles substituir seus antecessores. Raquel Dodge já inspira saudades de Janot. E Segóvia, bem, não será nada fácil substituir Daiello, até porque o corpo de policiais federais vê com desconfiança sua indicação, já que seu nome não figurava numa lista tríplice encaminhada ao Ministério da Justiça / Planalto.

Esperamos, sinceramente, que Segóvia procure dar continuidade ao trabalho de Leandro Daiello, engrandecendo a Polícia Federal, uma das instituições mais confiáveis da população.

Foto: Reprodução

http://tv.estadao.com.br/politica,eliane-cantanhede-novo-diretor-geral-da-pf-fernando-segovia-tem-mais-apoio-na-politica-do-que-na-corporacao,815021

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/bernardomellofranco/2017/11/1933994-a-vez-da-policia-federal.shtml

https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2017/11/08/com-temer-pf-muda-sob-aplauso-de-suspeitos/

http://painel.blogfolha.uol.com.br/2017/11/09/segovia-assume-sob-pressao-antes-da-nomeacao-agentes-da-pf-diziam-que-ele-nao-era-o-nome-certo/

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/11/1934000-fernando-segovia-foi-indicado-por-peemedebistas-para-direcao-da-pf.shtml

http://g1.globo.com/hora1/videos/t/edicoes/v/novo-diretor-geral-da-pf-promete-ampliar-as-atividades-da-operacao-lava-jato/6276081/

Para ler mais de Vânia Gomes, clique aqui.

Para comprar o livro mais recente de Vânia Gomes, clique aqui.