Novidade sobre dengue

 

Novidade sobre dengue    Novidade sobre dengue: cientistas americanos e nicaraguenses descobriram por que a segunda infecção da doença costuma ser mais grave, podendo até levar à morte. Num estudo de longo prazo — 12 anos —, constataram a existência de uma intensificação dependente de anticorpos. O estudo foi publicado no periódico científico Science.

São quatro tipos de vírus de dengue, e o achado científico parece valer para os quatro. O estudo acompanhou 6.700 crianças de 2 a 14 anos na Nicarágua, por 12 anos. Foram coletadas, no total, mais de 41.000 amostras de sangue, que levaram a essa conclusão.

Segundo os autores, a pesquisa confirmou os resultados já obtidos em laboratório, com modelos animais: há uma gama específica de títulos de anticorpos que intensifica a replicação viral e causa a doença mais grave. Em outras palavras, ter anticorpos contra a dengue pode ser mais perigoso do que não tê-los. A pesquisa comprovou que quando o número de anticorpos no sangue é baixo, essas proteínas não são capazes de neutralizar ou matar os vírus.  Ao contrário, se ligam a eles e os levam a células susceptíveis, onde podem se replicar.

O estudo traz luz ao conhecimento sobre os mecanismos infecciosos dos vírus da dengue, mas não explica todas as ocorrências da forma severa: há quem desenvolva a forma grave na primeira infecção. Cientistas cubanos já constataram que a obesidade está relacionada à infecção grave por dengue.

A dengue é uma doença complicada, como sabemos. Os quatro tipos virais possuem características distintas, o que tem dificultado o desenvolvimento de uma vacina eficaz. Recentemente, uma indústria farmacêutica desenvolveu uma vacina, mas a OMS recomendou que o fármaco fosse destinado apenas a crianças que já tivessem tido uma primeira infecção, e não aplicá-lo a crianças que nunca tiveram dengue.

Não será fácil vencer essa doença. As pesquisas no mundo todo têm que continuar. É bom que se saiba que o Brasil tem pesquisa avançada sobre dengue e que temos uma vacina contra a dengue em teste. O Instituto Butantan já realiza testes clínicos de fase 3, e espera-se que em 2019 a vacina esteja disponível para imunizar a população. A vacina brasileira é tetravalente (protege contra os quatro tipos virais) e apenas uma dose é necessária para proteger as pessoas, incluindo as que já foram infectadas.

Se eu morasse em São Paulo, me candidataria a voluntária.

Foto: Camilla Carvalho/Acervo Instituto Butantan

https://www.scientificamerican.com/article/scientists-solve-a-dengue-mystery-why-second-infection-is-worse-than-first/

http://science.sciencemag.org/content/early/2017/11/01/science.aan6836.full

Para ler mais de Vânia Gomes, clique aqui.

Para comprar o livro mais recente de Vânia Gomes, clique aqui.

Deixe seu comentário