Ensaio sobre a cegueira… e sobre furacões

 

Stevie WonderA pergunta que não quer calar: será que para ajudar e se solidarizar com as vítimas dos furacões é preciso também ser politicamente correto?

Stevie Wonder, fazendo trocadilho com sua própria limitação, parece pensar que sim. Ao abrir o evento beneficiente de ontem à noite, reunindo o habitual grupo de celebridades em torno de uma boa causa, Wonder achou por bem acrescentar que “quem não acredita no aquecimento global deve ser cego ou pouco inteligente”.

Posso ser cega, ou burra, mas ainda prefiro as colocações de Joe Bastardi, um “cientista do clima” que escutei ontem à noite e que afirma que “aquecimento e esfriamento do planeta são movimentos cíclicos”. Porém, na sequência, esse mesmo cientista explicou sua teoria curiosíssima de que “o aquecimento dos últimos anos foi responsável pelos 12 anos de baixa atividade de furacões” que parecem estar terminando agora. Além do que, segundo Bastardi, as variações de temperatura não são uniformes ao redor do globo: enquanto os invernos no hemisfério norte podem estar um pouco mais quentes, as regiões tropicais vêm sofrendo pouca ou nenhuma variação. No artigo linkado abaixo, Bastardi explica ainda os eventos meteorológicos por trás do furacão Harvey, classificado como o 14° mais forte da história.

Sim, um dos fatores a favor desses apocalípticos do clima é nossa curta memória no que se refere a desastres passados e tudo o  mais. O que não faz menos dolorosos os desastres atuais.

Por outro lado, será que as doações de céticos do clima às vítimas dos furacões serão aceitas?

Triste de um mundo em que uma das principais preocupações com o futuro depende da orientação política e de gente que “acredita” nela. Pior, de fake news e da exploração da miséria alheia.

Foto: Captura de vídeo do evento.

http://dailycaller.com/2017/09/12/hurricane-telethon-gets-political-right-at-the-start-video/

https://patriotpost.us/opinion/51016

Para ler mais Noga de Sklar, clique aqui.

Para comprar o livro mais recente de Noga Sklar, clique aqui.

 

 

Deixe seu comentário