Perda total

 

Perda total   “Os indícios são gravíssimos. O resultado pode ser a rescisão com a perda total da premiação sem prejuízo das provas apresentadas” — foram as palavras do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, a respeito do acordo firmado com o grupo J&F, após receber novos áudios. O inusitado disso tudo foi o decorrer dos fatos: o material foi entregue praticamente por engano, pois a defesa dos empresários corruptos desconhecia a prorrogação do prazo concedida pelo Ministro Edson Fachin.

Os indícios a que Janot se referiu são sobre a atuação do ex-procurador Marcelo Miller, por sinal, ex-braço-direito do Procurador Geral da República. Ao que parece, o ex-servidor atuou em favor do grupo J&F antes de ser exonerado de seu cargo público. De fato, gravíssimo: um lobo com pele de cordeiro, entre os cordeiros, trabalhando para a matilha.

Com esse episódio, vemos que o Estado não pode dar a mínima colher de chá a bandidos. Se esses áudios tivessem sido entregues 60 dias depois, muito provavelmente, algumas peças não chegariam ao MPF. Agora, com tais provas, a Procuradoria aventa fortemente a possibilidade de anular a delação da JBS. Não pode haver outra decisão — a anulação deve ser imediata e os Batistas terem prisão preventiva decretada o quanto antes.

Outra consequência será a criminalização do ex-procurador Marcelo Miller. Além disso, a manifestação da OAB aponta que o registro de advogado de Miller será cassado. De fato, é preciso que a vida deste senhor que prestou um dos piores desserviços ao país não seja fácil. Esperamos também que tenha seu direito à liberdade cerceado: preso o quanto antes.

Os políticos acusados pelos Batistas estão rindo até as orelhas, como se se tratasse de uma disputa. Para eles, o episódio enfraquece Janot, e as delações capitaneadas por Miller podem ser todas anuladas. Aí vemos um equívoco ou, quiçá, um indício de futura impunidade. O conteúdo das provas apresentadas não vale nada? Afinal, o acordo de colaboração é um benefício concedido aos criminosos em troca da apresentação de documentos e quaisquer outras provas materiais dos ilícitos cometidos, além de não mentir, nem omitir provas e fatos. O conteúdo aí está e, como declarou ontem o procurador Janot, a anulação do acordo ocorrerá “sem prejuízo das provas apresentadas”.

Foto: Notibras

http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/procurador-avisa-que-delatores-da-jbs-podem-sofrer-perda-total-da-premiacao/

http://politica.estadao.com.br/blogs/vera-magalhaes/audio-mostra-miller-atuando-para-a-jbs-antes-de-se-exonerar/

http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/janot-manda-investigar-omissao-na-delacao-da-jbs/

http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/janot-ja-enviou-audio-de-conversa-que-cita-possivel-ilicito-de-ex-procurador-da-republica/

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,perfil-miller-deu-baixa-na-procuradoria-e-participou-da-colaboracao-da-jef,70001968163

http://painel.blogfolha.uol.com.br/2017/09/05/suspeita-sobre-miller-coloca-em-xeque-outras-delacoes-investigados-falam-em-flagrante-armado/

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/09/1915883-na-casa-de-maia-deputados-comemoram-enfraquecimento-de-janot-e-joesley.shtml

Para ler mais de Vânia Gomes, clique aqui.

Para comprar o livro mais recente de Vânia Gomes, clique aqui.

Deixe seu comentário